«

»

jun 20

Take Five

Take 5, Take 4, Take 6, Take 3…
Tem fórmula de compasso a escolher…
Este jazz do Paul Desmond, que ficou conhecidíssimo pelos fãs do jazz através da gravação do Dave Brubeck, que pode ser apreciada logo abaixo, é originariamente em compasso 5/4. Eu toco a parte A como no original e na passagem para a parte B faço um 4/4 pra quebrar, e nas improvisações uso 6/4, 7/4, 3/4 e juntamente improviso dentro das diversas possibilidades dentro de um mesmo acorde em diversos modos diferentes: Am, Am6, Am b6, A7 9, A7 #9, A alt, A dim, etc… utilizando assim as diversas escalas possíveis, menores harmônicas, melódicas, mixos, alteradas, dom-dim e etc. Até um saborzinho de flamenco rola, só pra não perder a sensibilidade…
Violão dessa vez só no microfone. Captado pelo velho e bom Shure SM-57, enquanto não chego no meu tão sonhado AKG-414.
Espero que gostem…
Um abraço especial pra minha querida amiga Cibele, que tanto me dá forças nessa caminhada musical…

Vale a pena ver a gravação original do Dave Brubeck Quartet

Vale a pena também ver a do George Benson com o Sadao Watanabe, para ver as diversas formas melódicas, rítmicas e harmônicas que uma música pode tomar

Também tem a versão em salsa do Tito Puente… muito legal… altas quebradeiras

Tem a versão do Al Jarreau também, mas ai começa a virar covardia….

7 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. felipe

    muito interessante a evoluçao q ocorre nos determonados arranjos … muito bom muito bom ….

  2. felipe

    explendoroso.. esses videos

  3. felipe

    muito interessante a evoluçao q ocorre nos determonados arranjos … muito bom muito bom ….

  4. felipe

    explendoroso.. esses videos

  5. Paulo Sérgio

    É isso aí Felipe!!! Muitas cabeças criativas, cada qual com sua própria história. Impossível o resultado ser igual, muito menos melhor ou pior. É isso o que a música faz no ser humano. Nos torna únicos.

  6. Paulo Sérgio

    É isso aí Felipe!!! Muitas cabeças criativas, cada qual com sua própria história. Impossível o resultado ser igual, muito menos melhor ou pior. É isso o que a música faz no ser humano. Nos torna únicos.

  7. Paulo Sérgio

    É isso aí Felipe!!! Muitas cabeças criativas, cada qual com sua própria história. Impossível o resultado ser igual, muito menos melhor ou pior. É isso o que a música faz no ser humano. Nos torna únicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>